Viajar mais rápido que a luz é possível?

Fantasmas” ou “camaleões”, como preferir, os tais neutrinos estão deixando os físicos de cabelo em pé, mas o que deixa eles assim? Vamos entender um pouco mais sobre o que temos acompanhado na mídia.

Os Neutrinos são partículas elementares da matéria e são dificilmente detectadas, pois sua interação com a matéria é muita fraca, sua carga é neutra e sua massa extremamente pequena. Estes são liberados pela atmosfera e estrelas como o sol, e de acordo com a teoria da relatividade, se os neutrinos possuem massa, não podem viajar a uma velocidade superior a da luz, cerca de 300.000 km/s.

Recentemente, os físicos pareciam não acreditar em seus instrumentos e respectivas medições. Segundo experiências feitas na operação internacional Opera, os neutrinos percorreram as instalações do CERN e do laboratório subterrâneo de Gran Passo, cerca de 730km, a uma velocidade de 300.006 km/s.

Experiencia Internacional Opera - Render

Figura : Experiência Internacional Opera

A descoberta é fruto de 3 anos de dados e observações, com margem de erro de apenas 10 bilionésimos de segundo. Instrumentos de análise foram calibrados por grandes especialistas, relevos topográficos verificados, assim como o túnel de partículas. Até mesmo o afastamento dos continentes e o terremoto de L’Aquila foram levados em conta.

Enfim, não encontrando menores falhas, os neutrinos parecem ter mesmo viajado mais rápido que a velocidade da luz.

Vejamos por outro lado. Isso não quer dizer que a teoria de Einstein seja inválida ou errônea, significa apenas que pode ser aprimorada. Assim como Einstein aprimorou o que Newton descobriu, cabe a ciência do século XXI redescobrir a física e consequentemente, teremos cada vez mais avanços nas áreas tecnológicas.

Manuscritos da teoria da relatividade de Einstein Render

Figura Manuscritos da Teoria da Relatividade de Einstein

Related Posts with Thumbnails

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

One comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *