Author Archives: Jose Ricardo dos Santos

Construção Verde ou Sustentável

Hoje em dia está cada vez mais visível que o meio ambiente precisa urgente de uma intervenção no sentido de barrar o consumo de recursos finitos como água e energia elétrica, e alteração do seu meio.

Primeiramente, vamos entender o que é Construção Verde. Construção Verde é aquela que visa alterar o mínimo possível o meio ambiente, usando novas técnicas e materiais para que a obra seja parte da natureza que a cerca, e não tomando parte dela.

Com novas tecnologias sendo melhoradas a cada dia, é possível alcançar o sucesso de uma obra em sua integração com o meio ambiente. Como exemplo de materiais temos blocos e tijolos fabricados com sobras da própria obra, sistemas de aquecimento solar de água e tratamento de águas com sistemas de filtros e drenagem que minimizam e melhoram o consumo.

Read more

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

As diferenças entre o Adobe Premiere e o Adobe After Effects

Iniciantes na área de vídeo geralmente ficam com dúvida para optar entre Premiere e After Effects para a criação e edição de vídeos. Neste artigo desejamos esclarecer as diferenças entre eles, facilitando para quem precisa optar entre um e outro.

Estes dois poderosos softwares, da família Adobe, são fundamentais para o desenvolvimento de um trabalho de edição profissional, com rapidez e qualidade.
Vamos iniciar com um breve histórico de edição de vídeo.

Antes das máquinas invadirem e tornarem o mercado cada vez mais competitivo, o processo de edição de vídeo era bem arcaico.

Em 1895, os irmãos Lumiére fizeram a primeira exibição cinematográfica do mundo. Isto foi permitido graças ao cinematógrafo, que era um aparato resultado de diversas tentativas para a captura e exibição de filmes. Essas tentativas originaram-se em processos mais antiquados ainda, e vale a pena você dar uma pesquisada.

Figura 1: Irmãos Lumiére

Fonte: bp.blogspot.com

O cinematógrafo era capaz de capturar vários momentos de um movimento, em uma película muito parecida com o filme fotográfico.
Read more

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

3D, Só falta sair da tela!

Pois então! Faltava comentarmos um pouco sobre a fabulosa e revolucionária presença do 3D em nossas casas. Não quero me referir apenas à animação 3D, que iniciou no final dos anos 70, início dos anos 80. Refiro-me à exibição neste formato.

Então, vamos começar do “Era uma vez”.

Inicialmente, tudo o que vemos é percebido em duas dimensões. Como seres humanos, apenas percebemos o mundo com 3 (4) dimensões pelo fato de termos outros sentidos, além de nossa visão. Isso ainda é ressaltado pelo fato de termos a visão chamada de estereoscópica, formada a partir da distância de nossas duas fontes de captura de imagem, ou seja, nossos olhos.

Fonte da imagem: formigueiros

Read more

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

O que havia de velho e novo no 3ds Max

Até a versão 2009 do 3ds Max, tínhamos um software muito poderoso, permitindo o desenvolvimento de filmes e games de forma eficiente. A partir da versão 2010, com a implantação do projeto XBr da Autodesk, uma série de melhorias e inovações seriam agregadas em doses homeopáticas no software. Neste artigo veremos um pouco sobre estas inovações e os benefícios que elas trarão para os projetistas, principalmente de mídia e entretenimento.

Interfaces 2009 e 2010

Interfaces 2009 e 2010

Na versão 2010 foi implementada a mudança na interface, certamente a mais aparente no software não seja a mais funcional. A interface foi atualizada para seguir a tendência adotada na maioria dos softwares no final desta década e deixou vários usuários espantados com tamanha inovação. É bastante contraditório, mas o que parecia ser uma característica pouco funcional, como escrevi acima, veio ao descontento de muitos usuários que estavam acostumados com a interface e o fluxo de trabalho anteriormente estabelecido. Mas nada que o andar da carroça não faça as, ou os, abóboras se ajustarem.
Read more

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS